Sobre o velho receio de ser enganada…

•15/05/2011 • Deixe um comentário

E o post de hoje é para ajudar você, leitor, a não passar por este mesmo dilema. Caso o açougueiro queira te vender matambre, vc saberá o que é.

Confesso: tenho medo de ser enganada pelo açougueiro. Aliás, penso que muita gente deve ter este mesmo receio. Nada contra a categoria. Em tempo, o problema está em mim.

Tenho dificuldade em reconhecer se o açougueiro está realmente me vendendo a carne que eu peço. Se eu pedir filé mignon cortado em cubinhos para fazer strogonoff, quem me garante que ele realmente me dará o filé e não um pedaço de coxão duro cortado em cubos? Ninguém (alguém me conteste, por favor!). Os mais entendidos podem me dizer que nem todas as carnes podem ser cortadas em cubos, afinal há diferenças entre os cortes. Existem carnes que possuem osso no meio, outras possuem gordura na fibra. Churrasqueiros de longa data dirão que só de olhar para a fibra da carne é perfeitamente possível reconhecer se trata-se de uma autêntica peça de filé ou de um gorduroso pedaço de cupim. Para mim, há apenas dois grupos distintos: lagarto e todos os outros.

Me sinto confortável para comprar as carnes que já estão cortadas e embaladas. Posso escolher se quero comprá-la resfriada ou congelada. Gera segurança, pois a carne está identificada e pesada, e sujeita à inspeção da Anvisa a qualquer momento.

Quando preciso de uma quantidade maior é um sofrimento. Pergunto: “Oi, tem alcatra?”, e ele responde: “Tem sim, moça. Mas tá no fim, hein? Por que a moça não leva garrão? Tá no começo”. Eu muito calma e sem saber do se trata, respondo: “Meu senhor, tenho cara de quem come garrão?” Pronto. Morri. Não dá pra comprar o final de uma carne. E, se essa afirmação for mais uma desculpa para te empurrar outro corte? Automaticamente tenho que mudar os planos e a receita.

Alguns açougues inspiram confiança. O tratamento é fundamental. Me sinto a vontade no Pão de Açúcar. Os açougueiros sempre são muito bacanas. Os peixeiros também (comprar peixe também pode ser um dilema!).

Outro receio comum é em relação à balança. Consumidores reclamam que as balanças podem estar desreguladas, fazendo com que se leve uma quantidade menor do produto e se pague a mais. Eu mesma, nunca me atento à balança. Meu medo tem outro nome e até cabe um velho ditado popular: “comprar gato por lebre” . Melhor que isso: “comprar coxão duro por filé”.`

E o post de hoje é para ajudar você, leitor, a não passar por este mesmo dilema. Caso o açougueiro queira te vender raquete ou garrão, vc saberá o que é.

Para saber mais sobre carnes bovinas e seus cortes, acesse: SIC – Serviço de Informação da Carne

Anúncios

:: Enquete ::

•20/03/2010 • 4 Comentários

Chá de Bebê: convite

•08/02/2010 • 62 Comentários

“Escolhemos pessoas com princípios e valores semelhantes aos nossos, pessoas que serão capazes de mostrar interesse, sentimento, preocupação e amor de forma verdadeira e sincera por nossos filhos, assim sendo capazes de orientar sobre as melhores escolhas, atitudes corretas e nobres, trazendo clareza e apoio diante de adversidades e/ou oportunidades no decorrer de suas vidas.”

Tudo o que uma madrinha coruja mais deseja, antes do afilhadinho nascer, é colocar a mão na massa e organizar o chá de bebê. Do convite à decoração, passando pelas comidas e lembrancinhas.

Confesso que é díficil. Quando você começa a organizar cada item, é um processo complicado porque tudo é lindo e… trabalhoso. Dá vontade de fazer de tudo, da melhor forma possível, mas acaba faltando tempo, pelo menos é o que aconteceu comigo. Fiz uma apresentação de todos os itens de decoração que eu gostaria que tivessem na festinha, os comes e bebes, docinhos… Estratégia para não perder o foco e, ainda assim, não conseguimos fazer tudo.

Então, para contar um pouco deste processo, vou mostrar a elaboração do convite. Eu e minha irmã optamos por enviar um convite digital, por e-mail, devido a dificuldade em realizar a entrega dos convites para todas as convidadas. E, o resultado, não poderia ter sido melhor! As pessoas confirmaram a presença por e-mail mesmo, foi tudo bem ágil.

Minha irmã adora o Le Petit Prince (O Pequeno Príncipe) então resolvi elaborar um convite com este tema. O bacana é que encontrei na web vários sites que disponibilizam imagens, ilustrações, backgrounds… e, o melhor: free!

Depois de passar algumas horas na frente do computador, realizar alguns testes e, é claro, minha irmã aprovar, chegamos à este resultado:

Caso você seja uma madrinha coruja e que adora o Pequeno Príncipe, entre em contato e eu envio o arquivo em psd, para que possa ser editado no Photoshop.

Não ficou uma gracinha? Deixe seu comentário!

Boa semana!

Olivator

•02/02/2010 • 1 Comentário

Criar azeitonas personalizadas para saladas, molhos e drinks. Essa é a proposta do Olivator, um gadget culinário que, após o acionamento de um botãozinho, recheia azeitonas e frutas com alimentos como pimenta, cebola, alho, pimentões, queijos, etc.

O Olivator também pode ser utilizado para rechear cerejas, uvas, morangos. Que tal rechear figos ou framboesas com queijo mascarpone? A ideia é deixar a criatividade rolar solta…

NYCupcakes

•26/01/2010 • Deixe um comentário

Ainda sobre a série 225 things you don’t know about New York …

O assunto “cupcake” está no topo dos tópicos mais vistos da série. Bacana, né?

O pessoal gostou tanto que resolveu fazer uma sequência de slides, com fotos dos bolinhos e os endereços das bakerys onde podemos encontrá-los.

Vale a pena dar uma olhadinha! É inspirador.




NYC cupcakes

•25/01/2010 • Deixe um comentário

A revista americana Time Out New York fez algo muito bacana: elaborou a série ” 225 coisas que você não sabe sobre New York(225 things you don’t know about New York City) e uma das 225 coisas é um guia de onde encontrar cerca de 167 sabores de cupcakes.

O desafio não só foi o de descobrir os sabores espalhados pela cidade, como o de pesquisar quais são os sabores preferidos dos consumidores. E o resultado não poderia ser melhor ilustrado: os 167 sabores e sua relevância.

É claro que os sobrinhos do Tio Sam tiveram a ideia de organizar os endereços dessas bakerys no Google Maps. O que foi ótimo! E é claro também, que eu vou colocá-lo aqui! hehehe

Ao clicar em cada ícone, você visualiza informações como: o endereço, o site e os sabores disponíveis! Caso esteja nos seus planos visitar NY, esqueça o regime, imprima o mapa e divirta-se!

– Macarons: pequenos sonhos de Paris

•03/01/2010 • Deixe um comentário
Macarons… famosos sonhos de Paris

Paris, capital francesa das pequenas nuvens coloridas que adoçam a boca e os olhos: macarons.

É gostoso de ver e comer. Falar sobre eles e, até mesmo, cheirá-los. Sim, pode ter aromas diferentes de acordo com os ingredientes da receita; de chocolate com pimenta à rosas.

Espalhados por toda a cidade, é possível encontrá-los em qualquer confeitaria francesa, em todas as cores; empilhados, em caixinhas, em saquinhos. À granel para o chá da tarde, ou para presentear. Mas, apesar da facilidade em encontrá-los, perguntas sempre me vieram à cabeça, como: “onde eu encontro os mais famosos?”, “onde eu encontro o melhor macaron?” , ou ainda: “qual será a confeitaria mais tradicional?”.

Com dúvidas,  fiz algumas pesquisas pela web para descobrir quais eram os melhores lugares para se apreciar esse pedacinho redondo de sonho. Após a pesquisa, elaborei o mapa abaixo com os endereços das confeitarias que estão no ranking de especialistas no assunto. Dá uma olhadinha…!